Pediatras explicam causas da perda auditiva na infância

Atraso ou ausência de fala é um alerta aos pais sobre o aspecto auditivo da criança. Com um simples teste da presença de emissões otoacústicas, é possível identificar cerca de 90% dos casos. Uma série de fatores está relacionada à perda da audição na infância, como a genética, infecções durante a gestação (toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes e sífilis), malformações crânio-faciais, prematuridade, entre outros. A perda auditiva pode impactar nas demais etapas do desenvolvimento auditivo e aquisição de palavras, e consequentemente da comunicação infantil.

“Por ser indolor, a perda auditiva não possui sintoma externo e é silenciosa. Os pais devem estar atentos à reação da criança frente aos sons como a fala da mãe, do pai, e ruídos habituais caseiros para se suspeitar do quadro”, explica o dr. Silvio Marone, vice-presidente do departamento de otorrinolaringologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

Segundo ele, é importante estar atento aos fatores responsáveis pela possível perda auditiva, uma vez que eles podem se manifestar na gravidez ou pós natais como a anóxia neonatal, icterícia neonatal e ototóxicos. Nesse último caso, costuma ser necessária transfusão sanguínea.

De acordo com Marone, esses fatores são classificados como perda auditiva pré-natal ou congênita. “É importante estar atento a ocorrências na família, pois uma das causas é justamente a hereditariedade”, ressalta.

Marone destaca que, ao desconfiar da ocorrência, a família deve consultar o pediatra para realização de exames, sobretudo até o bebê completar 3 meses de idade. “Deve-se priorizar o diagnóstico funcional. Se a criança apresentar a privação auditiva, precisa do encaminhamento a um otorrinolaringologista e ter a audição estimulada, independente do fator da perda”.

O especialista enfatiza também que é fundamental o papel da relação familiar com o bebê nesse momento, especialmente com a mãe, que pode conversar diretamente com a criança, estimulando-a. Assim como o diálogo, existem outros métodos de estimulação, como o uso de aparelhos de amplificação sonora e música.

A cirurgia, o tratamento clínico ou a prótese auditiva são opções consideradas individualmente, de acordo com o grau da perda em cada caso. “A criança que coloca o implante ouve naturalmente, logo ela pode frequentar escolas regulares e alcançar uma qualidade de vida mais adequada”, finaliza dr. Marone. 

Fonte: Dr. Silvio Marone, vice-presidente do departamento de otorrinolaringologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

 

 

810x400 instituto infancia-app3

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s