Ensinar conceitos de empreendedorismo na infância pode formar adultos mais preparados

 

Cidadãos questionadores, capazes de perceber oportunidades, dispostos a enfrentar desafios e a não desistir nas primeiras frustrações. Quem não gostaria que seu filho se tornasse alguém assim? Muitos diriam que características como essas só poderiam ser construídas com a maturidade, moldada pelas experiências adquiridas ao longo da vida. Mas, não. Descobrir, criar, imaginar e sonhar, tudo pode ser estimulado desde bem cedo.

As escolas, por sua vez, mostram-se cada vez mais preocupadas em ensinar conceitos que ampliem a visão global do aluno e transmitam noções sobre empreendedorismo, que, ao contrário do que se pensa, visam bem mais do que formar um adulto empreendedor.

Quando se fala sobre ensino de empreendedorismo, é fácil associar a dois mitos. Um deles é de que o objetivo principal desse tipo de ensino é exclusivamente formar criadores de empresa. Outra imagem que se projeta, muitas vezes: aulas regulares e formais, tais como Matemática e História.

 

Empreendedorismo que se aprende

Embora especialistas afirmem que há quem nasça com os genes do empreendedorismo em alta contagem, é preciso lembrar que todos também já nascem empreendedores potenciais. Essa capacidade, no entanto, pode se perder ao longo da vida, caso não se receba o devido estímulo, ainda na infância.

Nessa fase da vida, o ser humano costuma demonstrar sua postura mais empreendedora, frente ao mundo e frente às situações. Crianças desconhecem o quão difícil ou impossível pode ser a realização de algo que se quer, por isso sonham, desejam qualquer coisa.

Mas, para tudo existe um caminho a ser percorrido, e é saudável que a criança comece a compreender isso. Pais e educadores surgem como agentes mediadores que vão ajudar a criança a mesclar valores e posturas importantes ao perfil destemido e desbravador da natureza infantil, tão pertinente a alguém empreendedor.

“O processo de educação é determinante em três características fundamentais, que vão definir no adulto a capacidade de se orientar em maior ou menor intensidade para os resultados: grau de iniciativa, tomada de risco e visão”, afirma ainda Luiz Fernando.

Ferramenta social

Mais do que agregar conhecimento e formar cidadãos prontos para empreender ou alcançar sucesso em qualquer profissão, promover o contato com conceitos e valores do empreendedorismo atende a uma demanda social. Gera empregos, renda, oferecendo alternativas e oportunidades distintas para a vida das pessoas.

“Certamente, conhecer cada vez mais sobre empreendedorismo é fundamental para o futuro do país. Para isso, deve haver um avanço na capacitação e no incentivo ao empreendedorismo, tanto por parte dos pais quanto da escola”, completa.

Texto de Amanda Sampaio Queiros

Fontes: Ana Célia Ariza é mercadóloga e pedagoga, criadora do método Empreendedog
Luiz Fernando Garcia é terapeuta de empreendedores, especialista em psicodinâmica aplicada ao mundo dos negócios.

 

 

rota uniformes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s