Conheça os efeitos nocivos que o consumismo infantil pode acarretar para a sociedade

“Eu quero, eu quero, eu quero”… Essa é, talvez, a primeira conjugação verbal que as crianças aprendem nos dias de hoje e não deixam de usá-la ao entrar na fase adulta. O problema é quando o “eu quero” é mais intenso que o questionamento: “eu posso?” ou o “eu preciso?’.

O assunto é polêmico, mas algumas instituições, como o Instituto Alana, defendem que são essas duas últimas conjugações que a publicidade em geral vem deletando da mente das pessoas. Elas alegam que, se no ser humano essas publicidades persuasivas surtem grande efeito, imaginem só o que acontece na mente infantil cercada por desenhos animados, propagandas coloridas, doces apetitosos…

É exatamente esse efeito da publicidade sobre as crianças que mobilizou a ONG Instituto Alana a criar o Projeto Criança e Consumo em 2006. O Alana procura mobilizar governantes à criação de leis que restringem as propagandas destinadas aos menores de 12 anos, considerados crianças pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

“Hábitos consumistas influenciam na formação de valores. A criança é estimulada cada vez mais cedo ao ato de consumir e os pais têm de falar muitos ‘nãos’ aos filhos, gerando o fator amolação dos pais. É justo uma empresa sobrecarregar os pais via publicidade?”, alerta Pedro Hartung, assessor do núcleo de advocacia do Instituto Alana.

Para Vitor Pachioni, publicitário e coordenador do curso superior de tecnologia em marketing da Universidade Sagrado Coração (USC) e Fábio José De Souza, advogado e professor de legislação e ética dos cursos de comunicação da USC, é preciso ter cautela em relação à propaganda destina às crianças. “Os cuidados principais estão na composição da mensagem, evitando qualquer informação que possa ser compreendida de forma incorreta ou mesmo dúbia, uma vez que a criança não reúne conhecimentos suficientes para realizar um juízo de valor, distinguindo o certo e o errado”.

EFEITOS NOCIVOS

O principal problema é que as crianças não diferenciam o que é conteúdo do que é propaganda, o que gera o aprendizado de um mundo que não existe. Esse pseudo-aprendizado é perigoso e o consumismo pode acarretar problemas da sociedade, como:

  • Obesidade infantil;
  • Violência (crimes oriundos da vontade de ter o que não se pode comprar);
  • Erotização;
  • Estresse familiar;
  • Danos ao meio ambiente, gerados pelo consumo maior do que os recursos disponíveis e também em relação ao descarte do lixo.

 

Texto de Karla Torralba e Lucy De Miguel

Fontes: Prof. Ms. Vitor Pachioni Brumatti – Publicitário e Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Universidade Sagrado Coração.
Prof. Ms. Fábio José de Souza – Advogado e Professor de Legislação e Ética dos Cursos de Comunicação da Universidade Sagrado Coração.
Pedro Hartung, assessor do núcleo de advocacia do Instituto Alana.

 

 

rota uniformes

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s