Amigdalite exige cuidados e dor é um bom medidor de gravidade

Quem tem amigdalite conhece bem a sensação desconfortável de dor causada pela inflamação da área. “Sentir dor na amigdalite é normal”, explica o Dr. Irimar de Paula, presidente da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor – SBED. Mas o que é preocupante, segundo ele, é quando essa dor passa do nível moderado e atinge níveis próximos ao grau máximo de 10 – a dor mais intensa que poderia sentir.

A doença se caracteriza pela inflamação aguda ou crônica e inchaço da região das amígdalas palatinas ou linguais e existem dois tipos: as virais e as bacterianas. O médico explica que a viral costuma ser menos dolorosa, com aumento controlado da temperatura corporal e sintomas como coriza e obstrução nasal.

Já a bacteriana é mais intensa, causa febre alta, dor forte, ‘ínguas’ e placas de pus, além de inchaço e vermelhidão na região. “A exceção é a amigdalite da mononucleose infecciosa, doença de causa viral, mas que provoca febre alta, ínguas e placas que se assemelham a pus”, observa.

A incidência é mais frequente nas crianças e em estações frias. A disseminação pode ocorrer por meio da saliva e uso compartilhado de talheres e copos, por exemplo. O próprio organismo responde naturalmente à infecção, mas o tratamento medicamentoso é importante para o alívio sintomático, especialmente de febre e de dor.

Segundo o Dr. Irimar, “o tratamento das amigdalites virais costuma ser feito com remédios anti-inflamatórios e sintomáticos, enquanto nas bacterianas, além destes, introduz-se antibióticos. Os mais indicados são os analgésicos anti-inflamatórios não esteroidais, a dipirona e o paracetamol”.

Quando é muito forte, a dor na amigdalite pode indicar uma complicação da infecção. “A dor é um bom medidor, pois a amigdalite pode levar a complicações que podem levar à morte, quando não tratadas”, alerta.

Ações “caseiras” ganharam fama por diminuir a dor, mas merecem atenção. Enquanto algumas têm eficiência médica comprovada, outras não têm. Veja abaixo as atitudes mais comuns, porém sem efetividade comprovada:

1- Colocação de uma faixa ou lenço com álcool ou com outras substâncias ao redor do pescoço;

2- Gargarejo com água morna e sal – Tem utilidade apenas para higienizar a boca e faringe. Seu efeito terapêutico no controle da infecção é praticamente inexistente;

3- Ingerir balas e mel com própolis – não há evidências relevantes de efeito terapêutico. A ação pode trazer, no máximo, um conforto momentâneo à garganta;

4- Ingerir alimentos ou bebidas quentes ou gelados – Não são indicados. Podem ser irritantes locais e provocarem desconforto a uma garganta previamente saudável.

Retirada das amígdalas

Este tratamento é indicado atualmente apenas para quadros particulares, entre eles suspeita de câncer, crianças que não crescem e não ganham peso devido a infecções recorrentes ou repercussões respiratórias graves, que causam apneia do sono e problemas cardíacos. “Indicações relativas para a retirada são feitas quando há infecções repetidas, halitose, dificuldade para deglutir, roncos noturnos, má qualidade do sono e alterações anatômicas craniofaciais”, explica o Dr. Carlos Eduardo Rezende, otorrinolaringologista e professor das faculdades de medicina do ABC e do Centro Universitário São Camilo.

Fontes: Dr. Irimar de Paula, presidente da Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor – SBED ;
Dr. Carlos Eduardo Rezende, otorrinolaringologista e professor das faculdades de medicina do ABC e do Centro Universitário São Camilo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s