Comer corretamente ajuda a evitar problemas de saúde no bebê

Diversas pesquisas já associaram a alimentação durante a gestação com o desenvolvimento do feto e a saúde do bebê após o parto. Uma delas, liderada por cientistas da Universidade de Utah, nos Estados Unidos, mostrou que a dieta mediterrânea, baseada em peixes, vegetais e castanhas, pode proteger o coração de bebês que ainda estão na barriga da mãe. Para chegar a esse resultado, os pesquisadores avaliaram 19 mil mulheres, que responderam questionários sobre a alimentação no ano anterior à gravidez. Metade dos bebês nasceram saudáveis e a outra metade, com corações anormais, e as mães que seguiram dietas nutritivas como a mediterrânea eram menos propensas a ter filhos com problemas cardíacos.

Independentemente do tipo de dieta, o importante é que as gestantes sigam uma alimentação capaz de beneficiar tanto a saúde da mãe quanto do bebê. Assim, um acompanhamento nutricional desde o começo da gestação pode fazer a diferença na hora de controlar o peso e prevenir problemas.

Como em qualquer fase da vida, a recomendação básica durante a gestação é manter uma alimentação balanceada em nutrientes. Algumas substâncias, contudo, merecem atenção especial, pois a ausência na dieta pode provocar consequências para o feto. “Por exemplo, o ácido fólico, que é importante para a divisão celular e para a produção de células sanguíneas e sua deficiência está ligada ao surgimento de defeitos no tubo neural do bebê, como anencefalia, encefalocele e espinha fíbia (fechamento incompleto da espinha)”, informa a ginecologista e obstetra Lilian Fiorelli.

O nutriente pode ser encontrado em verduras verde-escuras, como espinafre, agrião e brócolis e nas oleaginosas, entre outros alimentos, mas é comum que o médico receite suplementação. Esta só deve ser consumida com orientação. “Preferencialmente na forma de metilfolato e não de ácido fólico, e normalmente até doze semanas de gravidez. Existem casos de patologias que exigem o uso contínuo do ácido fólico, até o fim da gestação”, acrescenta o ginecologista e obstetra Domingos Mantelli.

Capriche no consumo!

Ao apostar em um cardápio o mais natural possível e variando entre as opções durante a semana, já é possível obter os nutrientes necessários para manter uma gestação saudável. Entre eles, é importante não se esquecer do:

– Ferro: substância que tem papel ativo na formação das células do sangue do bebê. “As fontes de ferro bem absorvidas e aproveitadas pelo organismo são as fontes animais, como a carne vermelha. O ferro das fontes vegetais, como os grãos e vegetais verde-escuros, precisa da vitamina C para ser bem absorvido; então, sempre tenha uma fruta cítrica junto do almoço e jantar, como laranja e kiwi”, indica Lilian.

– Cálcio: matéria-prima de ossos e dentes, também é necessário para equilibrar os batimentos cardíacos e a capacidade do sangue de coagular. “As fontes de cálcio são os leites e derivados, vegetais verde-escuros e tofu. Mas não consuma laticínios junto ao almoço e jantar, pois o excesso de cálcio atrapalha a absorção de ferro. Eles são bem-vindos no café da manhã, lanche da tarde e ceia”, recomenda a ginecologista.

– Ômega-3: participa da formação do sistema nervoso e pode ser encontrado em peixes e oleaginosas. “Atenção para a procedência do peixe e se ele faz parte do grupo que tem alta concentração de mercúrio, pois estes devem ser evitados”, alerta a especialista.

O que é melhor evitar?

“Tudo que seja artificial, de preferência. Exclua refrigerantes, não faça uso de adoçantes e alimentos sintéticos que contenham muitos conservantes e evite os embutidos”, responde Domingos. Obstetra e nutricionista avaliarão cada caso para verificar a necessidade de excluir alimentos específicos, no caso de alergias, mal-estar ou problemas de saúde pré-existentes.

“Outro fator que deve ser observado é a ingestão excessiva de sódio, pois é um nutriente que retém líquido e faz com que a pressão arterial aumente. Durante a gestação, diminua a ingestão de sal e tempere os alimentos com a menor quantidade possível”, complementa Lilian. A dica é usar ervas, como orégano, cebolinha, manjericão e alecrim, e outros temperos naturais, como gengibre e açafrão.

 

Texto de Marisa Sei

Fontes: Domingos Mantelli é ginecologista e obstetra;
Lilian Fiorelli é ginecologista e obstetra da Alira Medicina Clínica.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s