Vírus em aplicativos e jogos infantis deixam crianças vulneráveis a conteúdos inapropriados

Com a diversidade de modelos e valores acessíveis, crianças e adolescentes utilizam cada vez mais smartphones para realizar pesquisas, jogar e navegar pela internet. Segundo pesquisa realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, que estuda e organiza a rede de computadores no país, 91% dos jovens entre 9 e 17 anos que utilizam a internet acessam pelo celular. O problema, no entanto, reside no conteúdo sobre o qual essa faixa etária está exposta.

Recentemente, a CheckPoint, empresa israelense de segurança digital, descobriu um novo tipo de malware chamado AdultSwine, vírus encontrado em diversos aplicativos da Google Play Store, presente no sistema operacional Android. Esses apps eram, em sua maioria, voltados para crianças e, devido ao código malicioso, exibiam propagandas pornográficas.

Além das imagens inapropriadas, o AdultSwine também utilizava os apps para mostrar assinaturas de serviços falsos e encorajar a instalação de softwares, como antivírus, prometendo aumentar o desempenho do celular. De acordo com estimativa da companhia de segurança, os aplicativos podem ter sido baixados até sete milhões de vezes, infectando milhões de dispositivos.

Para atrair o público infantil, o malware utilizava nomes e personagens conhecidos para chamar a atenção da garotada que, devido à falta de supervisão e de orientação, ficava desprotegida em relação a anúncios de cunho pornográfico, alertas de vírus e propostas de assinatura de serviços premium.

O AdultSwine era, por si só, capaz de atuar de maneira inteligente. Para evitar suspeitas, o vírus não mostrava as propagandas em redes sociais. Assim, o público impactado era apenas os que abriam os jogos e aplicativos infantis, ou seja, as próprias crianças.

Riscos e ameaças

Essa não é a primeira vez que a garotada fica à mercê dos cibercriminosos. Em 2017, o “Jogo da Baleia Azul” se popularizou ao incentivar a automutilação e, em casos extremos, o suicídio. Além disso, o cyberbullying, a exposição excessiva e a facilidade de acesso à conteúdos impróprios são grandes ameaças aos pequenos, que não possuem discernimento e conhecimento para filtrar o acesso e evitar situações de risco.

Há no mercado vários apps para bloquear conteúdo inadequado no Android. Além disso, é possível restringir a classificação indicativa de qualquer um deles. Como no caso do AdultSwine o conteúdo era voltado aos pequenos, é sempre importante que os pais estejam no controle do que os seus filhos baixam antes que o estrago seja feito. Outro cuidado a ser tomado é a certificação de que o desenvolvedor do aplicativo é uma empresa séria e confiável.

A internet pode ser um risco para os menores quando utilizada sem que haja uma educação digital baseada no uso da rede com consciência e moderação. E o diálogo em casa é o segredo para a compreensão e prevenção de problemas digitais em quaisquer esferas.

Por Bruno Prado,  CEO da UPX Technologies, empresa especializada em performance e segurança digital.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s