Variedade no cardápio é um dos segredos para uma boa alimentação infantil

A dificuldade na alimentação é um problema comum enfrentado pelos pais durante a infância de seus filhos. Após o período de amamentação, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), recomenda-se que os pais incluam, de duas a três vezes ao dia, outros alimentos além do leite materno.

Essa prática deve ter início entre o sexto e oitavo mês de vida do bebê. A partir desta fase, a alimentação deve englobar todos os gostos de forma equilibrada, pois a não alternância entre o doce, salgado, azedo, amargo e umami pode prejudicar o paladar.

Alimentacao Infantil..jpg

De acordo com Hellen Maluly, doutora em ciência de alimentos pela Universidade de Campinas (Unicamp), o grande problema observado na alimentação complementar é que os alimentos oferecidos às crianças geralmente são ricos em açúcar, sal e gordura.

“Deste modo, as papilas gustativas tendem a sentir os gostos doce, salgado e de gordura com maior intensidade, deixando os receptores para o amargo, azedo e umami em ‘silêncio’”, diz a especialista.

Uma alternativa eficaz para driblar esta dificuldade são as papinhas caseiras, que podem ser produzidas ao considerarem uma maior probabilidade de aceitação alimentar infantil, principalmente no período de alimentação complementar.

Variedade no cardápio.jpg

A oferta de vários tipos de alimentos, que contenham os cinco gostos básicos, pode ser aliada na melhora da aceitação alimentar das crianças. Assim, “o umami presente em alimentos como ervilha, milho, batata e espinafre também poderia se tornar uma opção agradável para a variabilidade do cardápio”, como sugere a pesquisadora.

Ela também ressalta que tais condições possibilitam a aprendizagem dos diferentes paladares, mas não os determinará no futuro, já que as faculdades de juízo para tais gostos variarão diferentemente para cada indivíduo em meio ao qual ele está inserido.

Fonte: Hellen Maluly, doutora em ciência de alimentos pela Universidade de Campinas (Unicamp).

Este conteúdo é compartilhado pelo Programa Escolas do Bem, do Instituto Noa.

Anúncios