Menos da metade das mães alimentam exclusivamente com leite materno

Apesar das inúmeras recomendações de especialistas, pesquisa recente do Ministério da Saúde mostra que apenas 41% das mães alimentam seus bebês apenas com leite materno até os seis meses de idade. A introdução de outros alimentos antes dessa idade é fator de risco para o desenvolvimento de sobrepeso na infância e na fase adulta.

Já a amamentação deve ser exclusiva até os seis meses de vida e, após esse período e até os dois anos de idade, combinada com outros itens alimentares, reduz a incidência de sobrepeso na vida adulta, tanto pela correta formação dos hábitos alimentares, quanto pelo estímulo à produção de hormônios.

Sob o ponto de vista do desenvolvimento infantil, esta prática previne a obesidade em outras etapas da vida, na medida em que o aleitamento materno estimula, por exemplo, a produção dos hormônios grelina e leptina. Ambos regulam o efeito de saciedade, criando um padrão para esta sensação.

Nas raras situações em que a amamentação é contra-indicada, a criança deve receber a fórmula infantil adequada, prescrita pelo médico.

 

Fonte: Ministério da Saúde.

 

Leia também:

Leite materno protege contra excesso de peso precoce

Amamentação é um dos fatores principais para o emagrecimento saudável da gestante

Amamentação x atividade física: esclareça as dúvidas mais comuns das mamães

 

Este conteúdo é compartilhado pelo Programa Escolas do Bem, do Instituto Noa.

 

Anúncios

Pais estão insatisfeitos com as opções de alimentos industrializados infantis, aponta pesquisa

A correria dos dias de hoje tem afetado a alimentação das crianças e esse fato, cada vez mais, é motivo de preocupação e insatisfação dos pais, principalmente em relação à qualidade e maior disponibilidade dos alimentos industrializados – amigos e vilões, ao mesmo tempo.

Um estudo desenvolvido pela REDS – Research Designed for Strategy abrangeu 1.044 entrevistas on-line, com homens e mulheres, entre 25 e 55 anos, com filhos de seis meses a 12 anos. De acordo com a pesquisa, três em cada quatro pais e mães não estão satisfeitos com as opções de alimentos industrializados infantis presentes no mercado.

No entanto, somente 6% das crianças  até  11  meses  nunca  consumiram  produtos  industrializados e, a partir de 12 meses, o consumo desses itens atinge 100% dos entrevistados.

Conforme os dados, os três anos de idade representam mudança drástica da rotina. É quando, segundo a maioria dos entrevistados, as famílias relaxam mais em relação à alimentação dos filhos.

Pressionados por pediatras, redes sociais e nutricionistas para que não deem alimentos industrializados aos filhos, pais e  mães se veem em uma situação difícil.

“Eles carregam uma grande culpa se não fizerem a papinha perfeita com as próprias mãos, o lanchinho saudável, o suco natural, entre outras coisas. Mas o tempo desses pais está cada vez mais escasso, fazendo com que o perfeito, o saudável e, principalmente, o home made estejam se distanciando do dia a dia das famílias”, explica Karina Milaré, diretora da REDS.

alimentacao-bebes
Somente 6% das crianças até 11 meses nunca consumiram produtos prontos, aponta pesquisa.

Embora os homens estejam entrando no universo da alimentação infantil, em casa esse cuidado ainda é responsabilidade das mães, principalmente em classes sociais mais baixas. Já nas classes mais altas, a divisão da tarefa é melhor equilibrada.

Pais ou mães que não trabalham fora assumem essa tarefa para si com mais frequência.  Nesse  ponto,  59%  deles  informaram  que  procuraram  ter  orientação  profissional  (médico  ou  nutricionista) para auxiliar na introdução alimentar dos filhos e depositam alta confiança (8,79 em uma escala de 1 a 10) no profissional designado para esse papel.

Em contrapartida, menos de um terço dos pais considera as orientações médicas totalmente aplicáveis no dia a dia e, por isso, 86% deles acabam fazendo adaptações.

As creches e escolas tendem a ser fundamentais no processo, mas os pais querem aumentar sua influência e cuidar pessoalmente dos lanches dos filhos e da escolha de cardápios.

No entanto, o lanche da escola é a refeição que, segundo os entrevistados, é mais difícil de fugir dos produtos industrializados. Por outro lado, o jantar acaba sendo a refeição em que eles têm maior controle na refeição do filho e, por isso, procuram ser mais naturais.

“Percebemos  na  pesquisa  uma  postura  dos  pais  de  querer  mudar  suas  atitudes  com  relação  à  alimentação  dos  filhos.  Tudo  indica  que,  mais  do  que  precisarem  de  uma  cartilha sobre alimentação dos filhos, os pais necessitam de conhecimento para fazerem as melhores escolhas dentro de seus contextos familiares. Ou seja, há um sentimento/desejo de querer e precisar mudar”, conclui a diretora da REDS.

Fonte: Karina Milaré, diretora da REDS.

Este conteúdo é compartilhado pelo Programa Escolas do Bem, do Instituto Noa.

Leia também:

Alimentação saudável ajuda no desenvolvimento da criança

Veja como evitar que a hora da refeição se torne um pesadelo

8  em  cada  10  brasileiros  não pretendem ter filhos nos próximos anos

Nos próximos dois anos, 79% dos brasileiros em idade fértil não pretendem ter filhos, sobretudo os moradores dos estados do Sul (87%). É o que mostra uma pesquisa IBOPE Inteligência realizada em março deste ano. Até 2020, apenas 17% dos entrevistados declaram a intenção de ter um filho por meio de gravidez e somente 2% tem a intenção de adotar uma criança.

Foram entrevistadas 1491 pessoas em idade fértil, sendo homens com idade entre 16 e 60 anos e mulheres com idade entre 16 e 45 anos, em 140 municípios do país, entre os dias 15 e 19 de março de 2018. A  margem  de  erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total das amostras.

Essas informações foram coletadas utilizando o BUS, pesquisa do IBOPE Inteligência representativa da população brasileira realizada todos os meses a partir de perguntas de diferentes clientes.

Fonte: Ibope Inteligencia.

Este conteúdo é compartilhado pelo Programa Escolas do Bem, do Instituto Noa.